A Abrajet-RS, que participa todos os anos do Festival de Turismo de Gramado (Festuris), neste ano de 2014 vai apoiar ações que valorizam a preservação do meio ambiente, levando uma mostra do Clube de Observadores de Aves de Porto Alegre (COA-POA). Como o turismo de observação de aves, muito desenvolvido em outros países, vem crescendo entre brasileiros e no Rio Grande do Sul, a Abrajet-RS optou por levar a mostra de aves que foi concebida com objetivo de alertar para os riscos de extinção das espécies, pelo Dia da Aves neste ano. Composta por 36 fotos de  observadores associados ao COA-POA, a exposição é de pássaros avistados em Porto e Alegre e no Estado. O Festuris será 06 a 09 de novembro 2014, com temas técnicos no Palácio dos Festivais, enquanto a Feira ocorre  no Serra Park, em Gramado. “Se chegamos na 26ª edição do Festuris, é porque no caminho encontramos parceiros gaúchos que acreditaram e continuam acreditando no turismo do Rio Grande do Sul”, enfatizou Marta Rossi, na solenidade de lançamento do evento, na Capital gaúcha.

A ideia de levar a mostra sobre as aves do RS ao Festuris visa alertar para o desmatamento que culmina com o desaparecimento de algumas espécies de animais e aves e agregar parceiros do setor de turismo na luta pela preservação.  " O turismo é uma indústria limpa, cuja luta maior é pela paz, pela integração entre os povos. Certamente o profissional do setor será um observador atento ao material que iremos levar para o Festuris", afirma Jurema Josefa, presidente da Abrajet-RS. A entidade recebeu apoio, para concretizar o projeto, da diretoria do Festuris, de Móveis Masotti e de Comunicação Due Company  Relacionamento com a Imprensa e Estratégia Comunicação e Marketing.   Jurema destaca que estudos realizados neste ano pela Fundação Zoobotânica do RS indicaram que cerca de 772 espécies de plantas correm risco de desaparecer, de um total de 1.245 vegetais pesquisados. Nesse grupo figura inclusive a araucária - com muitas sementes  não germinando ou não gerando frutos, o que prejudica também a existência de aves que vivem dessas plantas. Já a pesquisa sobre as  aves, sob a responsabilidade do biólogo Glayson A. Bencke, da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul e sócio-fundador do COA-POA, indicou 91 espécies de aves que foram enquadradas em uma das três categorias de extinção (vulnerável, em perigo e criticamente em perigo), além daquelas já consideradas extintas.

As duas entidades - Abrajet-RS e COA-POA - avaliam que o incentivo para a observação de aves é uma das formas para a preservação do meio ambiente e também para desenvolver o turismo. Muitos países contam com milhares de observadores, como os Estados Unidos que tem 48 milhões de birdwatchers, gerando uma receita direta, entre viagens e equipamentos ( máquinas fotográficas, binóculos, camuflagens, etc) de 36 bilhões de dólares, e mais de 600.000 empregos. No site wikiaves do Brasil, hoje existem 20.000 observadores registrados, muitos desses sócios do COA-POA. Pesquisadores e mesmo observadores amadores viajam por tudo o mundo em busca de avistagem das aves,  o que dá uma ideia de quanto este mercado de turismo voltado ao meio ambiente ainda pode crescer. O Rio Grande do Sul é procurado por muitos observadores internacionais em busca de aves endêmicas que só existem em locais restritos, sendo os locais mais procurados  os municípios de Tavares  e Mostardas, os Campos de Cima da Serra, e até mesmo Porto Alegre, onde a existência de muitas espécies ocorre em áreas urbanas. O estande da Abrajet-RS é o 120B, na rua das Verbenas, no Serra Park.

Interessados em contatar com as entidades podem buscar no:

www.abrajetrs.tur.br/ e www.coapoa.org

Envia: Jornalista Jurema Josefa, fone 51.84040711